quarta-feira, 21 de fevereiro de 2018

Educação infantil em foco — #7

Por Lauri Cericato
Educador, consultor, palestrante e diretor editorial

Quando a criança passa da Educação Infantil para o Ensino Fundamental é necessário um período de adaptação?

Lauri Cericato responde perguntas dos leitores:

A passagem da Educação Infantil para o Ensino Fundamental é um momento importante tanto para as crianças quanto para os adultos.  A ideia que se tem é que, ao finalizar a Educação Infantil se muda para uma etapa de aprendizagem mais séria e com alto grau de exigência.  Muitos pais evidenciam em fala essa nova realidade: “Agora, você terá que estudar. Não vai mais à escola para brincar”.

Uma parte desse pensamento está correto. Porém, outra não. É evidente que no Ensino Fundamental as ações nas quais gastaremos mais ou menos tempo se invertem, porém não devem desaparecer. Os professores continuam dando suporte no que for necessário, mas cresce a autonomia dos estudantes.

Para minimizar impactos nesse processo, os professores podem ter algumas atitudes-chave:  dizer quais são as modificações que serão realizadas no ensino fundamental, contar o que será mantido, pedir às crianças que compartilhem suas dúvidas e medos em relação à mudança de maneira a estabelecer um diálogo aberto com a criança.

Se bem articuladas essas ações, a tendência é de facilidade à adaptação. É importante que os pais tenham clareza deste processo, pois serão aliados na adaptação.

Dicas do Para Educar para facilitar a adaptação:
  • Contar para as crianças e para os pais como se dará o processo – As informações devem ser as mesmas.
  • O professor deve relatar para ambos, pais e alunos, como é a rotina de trabalho na Educação Fundamental.
  • Nas últimas semanas do ano letivo da Educação Infantil, agendar uma visita nos novos espaços do Ensino Fundamental que as crianças frequentarão durante o próximo ano, ressaltando de que maneiras esses locais serão utilizados para proporcionar a aprendizagem, se julgar importante estimule a conversa entre os alunos.
  • Lembrar aos pais que elas ainda são crianças e, portanto, a rotina será inicialmente muito semelhante a da Educação Infantil e posteriormente ocorrerá a ampliação da exigência.
  • A alteração na rotina é apenas a necessária, portanto, manter a grade de horários, evidenciando o que será mantido, como período do lanche, intervalo e brincadeiras.
  • Organizar um documento com as regras e combinados realizados, orientando o papel do adulto no acompanhamento do desenvolvimento da criança.
  • Deixar o espaço aberto para os pais para em caso de dúvida ou inquietação, procurarem a coordenação ou o professor.

Dada a importância do assunto, a nova BNCC — Base Nacional Comum Curricular apresenta um texto:

A TRANSIÇÃO DA EDUCAÇÃO INFANTIL PARA O ENSINO FUNDAMENTAL
[Página 51 no link: http://bit.ly/2EDQgEA]

Recomendo a leitura.

Se tiver dúvidas, mande suas perguntas para paraeducar.contato@gmail.com.

Lauri Cericato
Pai, educador, editor, consultor e palestrante na área de Educação.
Filósofo, Historiador e Pedagogo.