terça-feira, 20 de fevereiro de 2018

Educação infantil em foco — #6

Por Lauri Cericato
Educador, consultor, palestrante e diretor editorial

Desfralde é papel da escola?

Lauri Cericato responde perguntas dos leitores:

Sim e não! Essa é uma função dos pais e não deve ser transferida totalmente para a escola e nem ser encarada como um peso pela família. O momento de desfralde requer atenção individualizada.

Idealmente o desfralde deve ser feito em casa, porém, é essencial a importância da escola como parceira.

No ambiente da escola ao perceber que a criança está em condições de iniciar o desfralde é preciso que o processo seja pensado junto com os pais. Do mesmo modo, a família deve comunicar a escola quando tem a intenção de dar início ao processo.

Dicas do Para Educar de como encaminhar o processo de desfraldamento:
  • Entender o tempo de desfralde de cada criança e estágio do desenvolvimento em que ela se encontra. O professor deve registrar no portifólio da criança cada pequena conquista, mas sem fazer grande alarde, pois isso o expõe diante dos colegas em relação àquilo que antes ele não conseguia fazer.
  • Adequação do banheiro adaptado às necessidades das crianças (com vaso sanitário infantil, pias baixas, portas acessíveis.
  • Ter um adulto para acompanhar a criança no banheiro, para oferecer-lhe suporte na higiene. Isso pode ser pensado desde a troca das fraldas até lavar as mãos e etc.
  • Evitar comparações ou punição à criança que não desfraldou ou que teve retrocessos. Além dessas situações poderem se configurar como bullying, elas podem incutir na criança a ideia de incompetência ou fracasso e, assim, afetar seu desenvolvimento cognitivo, social e emocional.

Se tiver dúvidas, mande suas perguntas para paraeducar.contato@gmail.com.

Lauri Cericato
Pai, educador, editor, consultor e palestrante na área de Educação.
Filósofo, Historiador e Pedagogo.