domingo, 20 de agosto de 2017

A Orquestra de Instrumentos Reciclados de Cateura

Por Christiane Angelotti

"O mundo nos envia lixo. Nós retribuímos com música." (Favio Chávez)

Esta é uma matéria feita com o objetivo de servir de inspiração. Se podemos tirar música do lixo, podemos fazer qualquer coisa, não é mesmo?

Não é fácil trabalhar, seguir em frente com alguns projetos, quando tudo parece conspirar contra. Plantar sonhos, ajudar ao próximo, quando cada momento em nossas vidas é uma batalha a ser vencida.

Nós que trabalhamos com crianças somos aqueles, no mundo inteiro, que não podemos nos dar o direito de desistir. Apesar de tudo. Somos como Dom Quixote, armados de sonhos e esperança. Somos chamados de loucos por muitos, mas sabemos que somos  apaixonados, sobretudo pelo ser humano, e enxergamos que a grande revolução em prol da igualdade social e da justiça só pode ser feita por meio da educação.

Então, munidos desse sentimento de esperança, seguimos em frente e vamos fazendo nossas pequenas transformações. Cada brilho no olhar de uma criança nos fortalece.

Já imaginou que no meio de uma dessas crianças pode surgir alguém capaz de transformar o mundo, fazendo grandes ou pequenas coisas? E isso fará tudo o que passamos ter valido a pena!

Esta história de música que nasce no lixo aconteceu no Paraguai.

Mais de 5 mil famílias sobrevivem catando lixo no aterro sanitário de Cateura, bairro de Assunção, capital do Paraguai.

Metade das 25 mil pessoas vivendo em Cateura era criança, quando Favio Chávez, técnico ambiental de uma fundação, foi para lá trabalhar e desenvolver um projeto de educação com os catadores de lixo, entre 2006 e 2008. Como também é  músico, ele teve a ideia de ensinar as crianças a tocar instrumentos musicais. Porém, surgiu a grande dificuldade, os instrumentos musicais eram caros e não existiam instrumentos suficientes para a quantidade de crianças que iam aparecendo. Foi quando ele teve a ideia de fabricar instrumentos alternativos com os materiais que tinham à mão.

Favio montou uma oficina de instrumentos musicais no quintal de sua casa e logo conheceu o marceneiro Nicolás Gómes. Juntos eles passaram a fabricar os instrumentos musicais feitos a partir de material coletado no lixo. Latas de doces, óleo, tonéis. Tudo virou instrumento musical.

Foram fabricados instrumentos que imitavam violino, violoncelo, guitarra, baixo, trompete, violão, flauta, instrumentos de percussão. O som produzido por eles era o som típico de instrumento de lata, mas com a mesma afinação de um instrumento referência.

O trabalho com a curiosidade das crianças

A partir de então, Favio passou a ministrar aulas para as crianças da comunidade que, como todas as crianças, movidas pela curiosidade, passaram a se interessar por música. E o interesse foi tão grande que em pouco tempo formariam a Orquestra de Instrumentos Reciclados de Cateura.

O repertório da orquestra é extenso e vai de música clássica à música folclórica e aos Beatles.

Por meio da música as crianças passaram a desenvolver o trabalho em equipe, a responsabilidade, a concentração, a criatividade.

A Orquestra de Instrumentos Reciclados de Cateura existe desde 2008 e de lá para cá tem se apresentado pelo mundo inteiro, participando de eventos, festivais e mudando a vida de muita gente, tanto em Cateura como servindo de inspiração para projetos semelhantes em outras partes do mundo.

O trabalho da orquestra visa ajudar a desenvolver integralmente crianças e jovens em situação de precariedade e vulnerabilidade. A história inspirou um documentário chamado Aterro Harmônico (Landfill Harmonic), lançado em 2014.


Não é uma história inspiradora?

Veja também:


Orquestra de Reciclados de Cateura site: http://www.recycledorchestracateura.com/the-band

Proibida a reprodução do texto acima sem a autorização prévia da autora.