terça-feira, 9 de maio de 2017

A importância da música na primeira infância

Por Christiane Angelotti

"Se fosse ensinar a uma criança a beleza da música não começaria com partituras, notas e pautas. Ouviríamos juntas as melodias mais gostosas e lhe contaria sobre os instrumentos que fazem a música. Aí, encantada com a beleza da música, ela mesma me pediria que lhe ensinasse o mistério daquelas bolinhas pretas escritas sobre cinco linhas. Porque as bolinhas pretas e as cinco linhas são apenas ferramentas para a produção da beleza musical. A experiência da beleza tem de vir antes". (Rubem Alves)

A música está presente em nossas vidas nas mais diversas atividades. Faz parte de cerimônias e celebrações, rituais religiosos e não religiosos, brincadeiras infantis.  A música é um meio de expressão cultural, já que transmite histórias e costumes dos povos, e expressão social, pois integra a sociedade em celebrações, festas e manifesta sentimentos. A música está presente nas histórias de todos os povos fazendo parte de ritos e cerimônias, como nascimento, casamento e rituais fúnebres. 



A música estimula áreas do cérebro que não são desenvolvidas nos estímulos de outras linguagens. Todas as áreas do cérebro se influenciam e se integram. Por isso, desenvolver a linguagem musical é extremamente importante para que o nosso cérebro seja capaz de se reorganizar com facilidade quando necessário, para aumentar e melhorar nossa concentração, criatividade, atenção, memória, entre outras habilidades. A música contribui para o desenvolvimento integral da criança; por meio dela é possível trabalhar as dimensões afetiva, cognitiva, motora e social. Ela também provoca sensação de bem-estar, auxilia no desenvolvimento motor, promove melhores interação e socialização.

“Como uma das formas de representação simbólica do mundo, a música, em sua diversidade e riqueza, permite-nos conhecer melhor a nós mesmos e ao outro próximo ou distante”. (BRITO, 2003, p.28)

Desde 2008, a iniciação ao aprendizado de música tornou-se obrigatória na disciplina de Artes em todas as escolas do Brasil. Infelizmente, muitas vezes a música trabalhada em ambiente escolar é tratada como algo pronto, formatado, que deve ser reproduzido e mantido. Este tipo de proposta com frequência vem desestimulando muitas crianças que hesitam e até se recusam a participar de ensaios para comemorações festivas nos quais devem reproduzir passos, movimentos e expressões que muitas vezes não fazem sentido para elas.

É possível perceber como a motivação dos alunos aumenta quando o foco da proposta de música nas escolas é uma construção coletiva, que busca despertar o interesse das crianças, tendo como objetivo também estimular reflexão e apreciação, propondo que elas criem novas músicas, danças, movimentos, ritmos e que cada um tenha sua contribuição, expondo ideias, sentindo-se livres e tendo prazer em apresentar algo que foi criado por eles mesmos ou em conhecer histórias de como determinadas culturas se expressam por meio da dança e da música.

De acordo com a Teoria das Inteligências Múltiplas, do psicólogo estadunidense Howard Gardner, a inteligência musical tem mais importância para a criação artística do que outras inteligências.

Formando repertório

Nosso repertório musical é construído ao longo de nossas vidas, de acordo com o meio social no qual estamos inseridos, pelas experiências significativas que tivemos com a música.

Para ampliar o repertório das crianças é necessário buscar conhecer o que elas costumam ouvir fora do ambiente escolar e trazer propostas de músicas de diferentes origens. Propor a apreciação de músicas e cantigas infantis, cantigas folclóricas, música erudita, jazz, MPB... Histórias e lendas musicadas e brincadeiras musicadas também são ricas fontes de estímulos. A música pode estar presente em todas as atividades.

Música na educação infantil

A música representa uma importante fonte de estímulos e o trabalho com ela na educação infantil tem alguns objetivos específicos, como a exploração de sons, ritmo e movimento, descoberta e vivência pela criança da variedade de sons do nosso corpo, conhecimento dos sons existentes na natureza, além dos sons que podemos inventar, os diversos timbres existentes, que o som pode variar de intensidade (forte/fraco), duração, altura, entre outros.

A musicalização para crianças é um conjunto de atividades que visam a sensibilização e a ampliação da percepção da criança para o mundo sonoro e musical. As atividades musicais favorecem o desenvolvimento da sensibilidade, da criatividade, do ritmo, da apreciação musical, da imaginação, da memória, da concentração, da atenção, do respeito ao próximo, também contribuindo para uma efetiva consciência corporal e de movimentação. Permite que a criança conheça melhor a si mesma e ao outro.

As atividades com música também favorecem a inclusão de crianças com deficiências. Pelo seu caráter lúdico, não estimula cobranças de resultados e são uma forma de aliviar e relaxar a criança, auxiliando na socialização, despertando noções de respeito e consideração pelo outro, e abrindo espaço para outras aprendizagens.

Leituras indicadas:

BRITO, TECA ALENCAR DE. Música na Educação Infantil- Propostas Para a Formação Integral da Criança. São Paulo, Peiropolis, 2003.
COSTTA, SILVIO. Educação sonora e musical: oficinas de sons. São Paulo, Paulinas, 2012.
GARDNER, HOWARD. Inteligências Múltiplas: a teoria na prática. Porto Alegre: Artes Médicas, 1995.