terça-feira, 10 de janeiro de 2017

Um coelho chamado Pedro e o mundo de encantamento de Beatrix Potter

Por Fernanda de Lima Passamai Perez

Peter Rabbit ou Pedro Coelho, como é conhecido pelo leitor brasileiro, é um coelhinho que vive com sua mãe e suas três irmãs, Flocos, Flux e Rabo de Algodão. Como toda criança ele é muito curioso e peralta. Por vezes acaba se metendo em situações bem perigosas, como o dia em que, contrariando as recomendações da sra. Coelho, ele visita a horta do sr. McGregor... só mesmo o chá de camomila da mamãe para acalmar os nervos do coelhinho.


As ilustrações só receberam cores
quando foram publicadas a partir de 1901.
E não há como falar de Peter Rabbit sem falar de sua criadora, Beatrix Potter. Nascida há 150 anos (28 de  julho 1866 — 22 de dezembro de 1943), a menina sempre foi incentivada pelos pais a desenhar e adorava estar em meio à natureza. Ela escreveu e ilustrou com belíssimas aquarelas seus contos.  

Seu mais famoso personagem, Peter Rabbit, foi inspirado em seu companheiro de viagens, Peter Piper, um coelho com um talento para peraltices. 

Beatrix com 25 anos com Benjamin Bouncer, seu
primeiro coelho de estimação.


Beatrix escrevia e ilustrava seus pequenos contos e os enviava a Noel, filho da sra. Moore, a antiga governanta com quem manteve relações a vida toda. Foi a partir dos originais guardados pela amiga que a autora pôde reescrevê-los com a finalidade de publicá-los. Hoje essas histórias são traduzidas para diversos idiomas e tem mais de dois milhões de exemplares vendidos anualmente.

Além de Peter Rabbit, outros personagens nasceram da observação e imaginação de Beatrix e motivaram a criação de 23 contos que encantam leitores de todos os tamanhos, pois há uma verdade na descrição e nas atitudes desses personagens — típicos da infância — que desperta no leitor sentimentos igualmente verdadeiros de medo, raiva, ansiedade, curiosidade e alegria. Alguns desses contos saltaram dos livros e viraram desenhos animados (exibidos na TV brasileira na década de 1990), animações e musicais.

A paixão de Beatrix pela vida silvestre era tanta que ela deixou como legado, além de suas histórias, 15 fazendas para o National Trust, sendo que Hill Top Farm foi mantida exatamente como a autora a deixou quando morreu, recebendo fãs do simpático coelhinho regularmente.

Hill Top.
Por muito tempo as narrativas concebidas por Beatrix Potter estiveram esquecidas pelo mercado editorial brasileiro. Atualmente, há uma edição em capa dura com quatro contos e ilustrações originais, editado pela Companhia das Letrinhas e o livro A história do esquilo Nutkin, recentemente lançado pela Edições Barbatana.

Em 2006, com um elenco renomado, Miss Potter levou para as telas do cinema a vida da autora. 

Sem data de lançamento no Brasil, The tale of Kitty-in-boots foi lançado em setembro de 2016 com ilustrações de ninguém menos que Quentin Blake, conhecido pelos leitores de Roald Dahl por aqui.

Uma leitura inesquecível!

Para quem desejar explorar o universo de Peter Rabbit e seus amigos, sugiro os sites:

http://www.companhiadasletras.com.br/detalhe.php?codigo=41054


http://www.edicoesbarbatana.com.br/pd-3dcba5-a-historia-do-esquilo-nutkin.html

https://www.youtube.com/watch?v=fnVPwgBktps

Fernanda Passamai Perez é graduada em Letras e especialista em Literatura Infantojuvenil. Atua como mediadora de leitura na Biblioteca Tatiana Belinky e coordena o clube de leitura Vilalê, ambos na Escola da Vila. É membro do juri da revista Crescer para seleção dos 30 Melhores Livros para Crianças desde 2015.