segunda-feira, 19 de dezembro de 2016

Grandes lições que aprendemos com as crianças

Por Christiane Angelotti

Quem convive com crianças sabe que elas nos ensinam muito mais do que podemos imaginar. E é interessante, pois as crianças nascem tendo que aprender tantas coisas. Andar, falar, se alimentar sozinha, entre outras funções, mas são elas que nos ensinam o que realmente é essencial. Precisamos só manter os olhos, os ouvidos e o coração abertos.

Algumas das coisas que venho aprendendo com elas:

Ser espontâneo

À medida que crescemos vamos nos adaptando às regras e convenções sociais, o que muitas vezes nos faz perder a espontaneidade.  Ser espontâneo é rir de verdade, quando se tem vontade, falar com pessoas desconhecidas e também sorrir para elas. As crianças não têm medo do julgamento social e vivem o momento. Isso pode ser muito bom.



Sonhar e acreditar

Se há uma coisa que criança conhece é o poder do sonho. Se ela acredita, ele existe ou pode se tornar real.

Por que perdemos isso?

O valor da amizade

Qualquer passeio, por mais simples que seja, pode virar uma festa na companhia das pessoas que gostamos. As amizades dos adultos, muitas vezes, se baseiam mais em relações de interesse.

Com as crianças aprendemos que a riqueza do amigo é a própria amizade. Estar com outras crianças, não importa a quantidade, se já as conhecem ou não, é sempre alegria garantida. 

Outra grande lição: compartilhar é sempre melhor!

O poder da simplicidade

Criança quando acorda celebra o dia. Faça sol ou chuva, todos os dias são lindos e especiais. Assim, nas coisas mais simples há alegria.

Por que deixarmos de enxergar isso?

Enxergar a vida sob outras perspectivas 

Ao observarmos um desenho de criança podemos ver que as pessoas podem ser azuis, verdes, podem voar... O céu pode ser rosa, as flores podem ser de todas as cores ao mesmo tempo. Não existem fórmulas ou regras, e sim, respeito à imaginação. Em uma brincadeira a criança é um gigante, em outra um anão. 

Mudando de papeis, vemos outras perspectivas, nos colocamos no lugar dos outros, desenvolvemos a empatia.

Enxergar a vida assim nos dá liberdade! Também aprendemos que liberdade é  algo coletivo.

O poder da imaginação

Quem nunca viveu uma situação como essa: a criança ganha um brinquedo lindo, muitas vezes caro, mas se diverte mesmo é com a caixa, com a sua embalagem?
Às vezes, buscando realizar sonhos queremos comprar tantos brinquedos incríveis para as crianças com quem convivemos, mas esquecemos que criança é equipada com um poder incrível, a imaginação. Ela é capaz de transformar qualquer coisa em brinquedo e no objeto que desejar. Tudo é possível para quem consegue imaginar. E isso alimenta muitas outras habilidades em nós.
Hoje em dia, se for para encher alguma criança de presentes, eu dou livros. Livro alimenta a imaginação. E o meu tempo. Como nos faz bem brincar com criança!

Sinceridade

Criança quando mente fica evidente, elas não foram moldadas (ainda) para mentir. 

Arriscar

Criança não fica presa ao medo, ela quer, ela arrisca.  O medo faz parte e elas sabem muito bem como lidar com esse sentimento, mesmo quando acham que não sabem. A vontade é sempre maior que o medo. Se ela quer aprender a andar de bicicleta, ela vai. Pouco tempo depois já está pronta para outro desafio e depois não vê a hora de tirar a rodinha de segurança. 

Amar sem limites

Só por existirem já nos ensinam essa lição.

Questionar

O questionamento faz parte do processo de aprendizagem, da curiosidade. Quando perdemos isso acabamos perdendo também muitas possibilidades. 


Ser curioso

A criança é um ser curioso. Nasce com vontade de saber, de aprender, de pesquisar. Muitas vezes nós adultos acabamos não valorizando essa característica delas que é a grande estratégia para todo tipo de aprendizado.
Já parou para pensar que , muitas vezes, toda sociedade age para limitar essa característica da criança? Que tremendo erro o nosso!


Ter empatia

Empatia é a capacidade de se colocar no lugar do outro, imaginar o que ele sente. Isso é algo natural das crianças que muitas vezes ao crescerem vão desaprendendo. Está ligado com o poder de olhar a vida sob oturas perspectivas.

Todos somos iguais

Criança não enxerga as diferenças entre as pessoas como o adulto. Ela até pode estranhar o que não está acostumada a ver e conviver, como alguém com trajes diferentes, traços físicos diferentes, mas depois de entender a diferença já a incorpora e passa a fazer parte de seu mundo. Quem ensina e ressalta, muitas vezes negativamente, as diferenças entre as pessoas como etnia, características físicas, e outras, é o adulto.


Aproveitar o momento

As crianças vivem intensamente cada momento, cada descoberta, cada brincadeira, sem pensar no depois, no tempo gasto. 

O mundo adulto exige muito de nós, mas talvez essa exigência seja criação nossa também. Se buscarmos por esse equilíbrio seremos pessoas melhores e estaremos ajudando a desenvolver uma sociedade mais justa. Porque se vivemos o nosso presente intensamente, não conseguimos ignorar a desigualdade, não paramos de enxergar o outro, e só assim, caminhando juntos podemos transformar algo. Como as crianças já fazem.