segunda-feira, 31 de outubro de 2016

As comemorações do Dia das Bruxas e do Dia do Saci

Por Christiane Angelotti

O Dia das Bruxas é uma data mundialmente conhecida, também chamada de Halloween, e festejada em diversos países. Atualmente, é também muito comemorada no Brasil. Mas qual a origem desta comemoração? Há algumas versões para a sua origem, como a maioria das festas populares, que com o passar do tempo foi incorporando outros significados.

O Halloween tem sua origem com os povos celtas que habitavam a região das ilhas da Grã-Bretanha no Reino Unido entre os anos 600 a.C. e 800 d.C. Nesta época, era um festival do calendário celta da Irlanda, o festival de Samhain, celebrado entre 30 de outubro e 2 de novembro e que marcava o fim do verão.  Os povos celtas acendiam fogueiras para celebrar.

Outros povos acreditavam que na noite de Todos os Santos, a noite de 31 de outubro, era a época do ano em que o mundo dos mortos estava em comunicação com o mundo dos vivos e, por isso, bruxas, demônios e espíritos dos mortos se reuniam para uma grande celebração. Já os povos cristãos antigos marcaram a data de 2 de novembro como o Dia dos mortos, um dia de orações  e homenagem aos  mortos. A comemoração chegou à América por volta de 1845 com os imigrantes irlandeses.

Logo, a festa já é uma mistura de culturas, não é mesmo?

A comemoração da data é bastante questionada no Brasil. Muitos alegam ser uma festa de tradição estrangeira que ganhou a simpatia das crianças graças aos desenhos de TV nos quais os personagens celebram a data. Por conta disso, em contrapartida ao dia das Bruxas, foi criado desde 2004 o dia do Saci.

Com o objetivo de chamar atenção para a valorização do folclore brasileiro, o Dia do Saci foi criado na mesma data, 31 de outubro.

O que nos agregam tais comemorações?

Talvez a grande sedução do Dia das Bruxas, que aqui no Brasil começou com as escolas bilíngues e as de idiomas e que vem ganhando cada vez mais espaço, seja a brincadeira com o medo, com o diferente. A possibilidade de trabalhar esses sentimentos de medo e de estranheza por meio da brincadeira é rica.  O que não devemos esquecer é que muitas lendas e mitos brasileiros também abordam o medo, curiosidades e podem ser contadas para as crianças de forma lúdica e divertida.

Talvez o grande problema seja restringir o nosso folclore, principalmente nos calendários escolares, ao mês de agosto. Nossas histórias (nossa cultura!) podem e devem ser transmitidas ao longo do ano. Isso não seria fator excludente para conhecer outras histórias e tradições de outros povos, afinal a cultura é algo que está sempre em transformação. Sofremos influência de nossa formação histórica, dos povos que aqui estiveram, seja na época do Brasil colônia, ou com os povos que para cá imigraram, e hoje também com o reforço da televisão e do cinema que aproximam e apresentam outras culturas para povos em todos os lugares.